Notícias

Jovem Três-lagoense com Retinopatia da Prematuridade se apresentará em Congresso em São Paulo

29/06/2018 - 15:33

Foto:

A jovem Três-lagoense Paula Silva Neres de apenas 18 anos comemorou por meio das redes sociais durante a semana uma grande conquista, Paula foi aprovada para apresentar por meio de Comunicação Oral o trabalho intitulado “Toque no saber: O conhecimento ao alcance das diversidades”, o projeto foi desenvolvido com apoio e orientação de Juliana Fernanda de Barros, professora de Psicologia.

Em entrevista a equipe de reportagem do Expressão MS, a garota contou sobre o processo de produção e preparação para o Congresso, que será realizado no período de 14 a 18 de novembro, na UNINOVE – Campus Memorial, em São Paulo e sobre sua rotina, desde o diagnóstico de Retinopatia da Prematuridade.

Paula Neres se define como uma pessoa sonhadora, otimista, na maior parte das vezes, com ela mesma definiu “Sou consciente das minhas limitações, mas sempre acreditando no aprendizado que cada experiência tem a me oferecer”.

Diagnosticada com Retinopatia, uma complicação na parte interna dos olhos que é responsável pela captação das imagens, a jovem sempre procurou se adaptar a sua condição, já que nunca enxergou do olho esquerdo e a visão que possuía do olho direito era sub normal, chamada baixa visão, mantendo-se assim até os 16 anos, onde surgiu uma nova complicação e novos tratamentos, mas que devido a fatores biológicos não houveram sucesso.

No mesmo ano do tratamento, o diagnóstico final, cegueira, mas conforme a mesma nada em sua rotina foi extremamente modificado “Minha rotina é bem comum faculdade, estágio. Além dos estudos estar sempre com a família e amigos. Passeios, simplesmente idas ao centro da cidade tudo muito comum. Talvez a minha maior dificuldade no dia a dia seja a questão da acessibilidade e em alguns casos algumas pessoas que não conseguem entender que uma pessoa com deficiência é acima de tudo uma pessoa e merece respeito. Sinto que alguns estabelecimentos ou pessoas que frequentam não entendem que posso responder e tomar minhas próprias decisões, até porque o processo de reabilitação é diário e muita gente não consegue entender isso”.

Quando o assunto foi a faculdade de Psicologia, curso no qual está matriculada atualmente a menina foi só elogios “A psicologia entrou na minha vida inicialmente como uma escolha profissional e logo se tornou o desafio mais instigante e maravilhoso que eu poderia esperar. Na convivência com os colegas é bem tranquilo, pois creio que sou uma pessoa muito abençoada e todos ou a maioria à minha volta são pessoas singularmente incríveis”.

Sobre o projeto aprovado a aluna relembra como tudo começou “Surgiu inicialmente do diálogo com um dos docentes do curso o professor Fábio Batista que em nossa conversa me aconselhou a conhecer o trabalho de alguns profissionais, indicando leituras. Depois apresentei a ideia inicial a professora Juliana Fernanda de Barros que me incentivou a elaborar uma proposta e claro dando suas orientações de maneira a contribuir fundamentalmente além de sempre termos buscados o embasamento teórico. Trata-se de um projeto que consiste na produção de materiais concretos para serem utilizados nas aulas. Além de rodas de conversa sobre inclusão diversidade e a utilização de materiais recicláveis para a produção. Não é um projeto restrito a psicologia e nem a questão da deficiência e sim uma maneira de diversificar os conteúdos Independente se exista uma pessoa com deficiência ou não na turma pois o projeto é baseado no conceito de desenho Universal.

Para finalizar, Paula Neres concluiu que “Talvez a única mensagem que eu possa deixar aqui é a de que o ser humano tem a incrível capacidade de fazer a mudança acontecer e que o respeito e a empatia são os combustíveis que potencializa essa mudança”.

Fonte: http://www.expressaoms.com.br/noticia/65453-2018-06-jovem-tres-lagoense-com-retinopatia-da-prematuridade-se-apresentara-em-congresso-em-sao-paulo#

Assessoria de Comunicação AEMS

conteudo auxiliar